COMUNIDADE FAMILIA ASCENSAO
SAUDAÇÕES QUERIDA FAMILIA.
PARA CONHECER OS DEBATES E PARTILHAS ANTERIORES VISITE O LINK
http://nominato.com.br/forum/index.php

ATENÇÃO :
APÓS FAZER O REGISTRO, VÁ NA SUA CAIXA DE EMAIL E "ATIVE" SUA CONTA.
VOLTE AO FÓRUM E CLIQUE "LOGIN" NOME E SENHA "MANTER CONECTADO". PARA FUGIR DAS PROPAGANDAS.


ORAÇÃO - Joel G.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

ORAÇÃO - Joel G.

Mensagem  Convidad em Seg Set 27, 2010 1:54 am

A oração
“Vos pedis, e nada recebeis, pois pedis mal", disse o Apóstolo Jaime. Já se deram conta de que, por algum tempo, oraram e não obtiveram resposta às suas orações? "Pedis errado." Esta é a razão. A oração, baseada na crença de que há uma necessidade ou um desejo insatisfeitos, nunca será consoante com a verdadeira oração científica. Uma oração para que Deus faça alguma coisa, mande ou forneça algo, ou cure alguém, não tem nenhum poder. Cremos, por vezes, que Deus precise de
um canal através do qual venha a satisfazer nossos pedidos, e isso nos leva a procurar as respostas fora de nós mesmos. Podemos pensar que o suprimento possa vir até nós e, por isso, ficarmos aguardando por uma pessoa ou por uma condição através da qual isso aconteça; ou podemos depender de um curador, ou de um mestre, como canal de cura. "Pedis mal."

Qualquer idéia de que aquilo que buscamos esteja em algum lugar que não dentro de nós, dentro de nossa própria consciência, é a barreira que nos separa de nossa harmonia. A oração verdadeira nunca é dirigida a um Ser fora de nós mesmos, e tampouco espera por algo vindo de fora do nosso ser. "O reino de Deus está dentro de vós", e todo o bem deve ser procurado ali. Se reconhecemos que Deus é a realidade do nosso ser, entendemos que todo o bem é inerente a esse Ser, o seu e o meu ser. Deus é a substância do nosso ser e, por isso, nós somos eternos e harmoniosos. Deus é a Vida, e esta Vida é auto-sustentada. Ele é nossa Alma, e nós somos puros e imortais. Deus é a consciência do indivíduo, e isto constitui a inteligência do nosso ser.

Para sermos precisos, não há Deus e você, embora Deus sempre se manifeste como você, e esta é a unidade que nos assegura o bem infinito. Deus é a vida, a mente, o corpo e a substância do ser individual; por isso, nada pode ser acrescentado ao indivíduo, e a oração verdadeira é o reconhecimento constante desta verdade. A conscientização do nosso verdadeiro ser — da natureza e caráter infinitos do nosso próprio ser — também é oração. Nesse estado de consciência, em vez de buscar, pedir e esperar algo da prece, voltamos nosso pensamento para dentro e ouvimos a "pequena voz silenciosa" que nos assevera de que, mesmo antes que pedíssemos, nosso Pai conhecia e preenchia nossa necessidade. E aí está o grande segredo da oração: Deus é a Totalidade e é sempre manifesto. Não há pois um bem ou Deus imanifestos. O que cogitamos estar buscando, está sempre presente dentro de nós, já manifesto, e nós temos de ter em mente esta verdade. Todo o bem já é, e é para sempre manifesto. O reconhecimento desta verdade é a oração atendida.

Nossa saúde, prosperidade, emprego, lar e harmonia não são pois dependentes de algum Deus longínquo; nunca dependem de um canal, pessoa ou lugar, mas estão continuamente à mão, onipresentes, dentro de nossa própria consciência; e o reconhecimento deste fato é a oração atendida. "Eu e o Pai somos um", e isto é causa de perfeição do ser individual. Para sermos precisos, não há Deus e tu. É impossível orar corretamente sem ter compreendido esta verdade; e sem conhecermos nossa relação com a Divindade, nossa oração seria apenas uma fé cega ou crença, e não compreensão. É a nossa conscientização da unidade do Ser — a unidade da Vida, da Verdade e do Amor — que redunda em oração atendida. É o reconhecimento constante de nossa vida, nossa mente, nossa substância e ação como manifestações do Ser divino que constitui a verdadeira oração. Identificando este Ser divino como única realidade de nosso ser individual, podemos compreender a nós mesmos como uma realização de Deus, como arremate e perfeição do ser que tudo abrange, divino e imortal. O reconhecimento da divindade de nosso ser individual é a verdadeira prece, que é sempre ouvida. A retificação da falsa crença que sejamos separados e distantes do nosso bem é a essência da prece verdadeira. Aquilo que eu busco, eu sou. Qualquer: bem que eu possa ter acreditado ser separado de mim, é de fato uma parte constituinte do meu ser.

Eu incluo, personifico e envolvo dentro da minha própria consciência profunda a realidade de Deus, que constitui a infinitude da saúde, da prosperidade e da harmonia do meu ser. A conscientização desta verdade é a verdadeira prece. Apesar desta totalidade de Deus, expressa como seres individuais perfeitos, aparecem constantemente na vida humana aqueles males que solicitam nossa compreensão da prece. Qual é a natureza do erro, do pecado, da doença? Como pode haver tais coisas, sendo Deus a totalidade? Tais coisas não podem ser, e de fato não são, apesar das aparências de dor, de discórdia e de sofrimento.
A Bíblia nos revela a verdade básica do ser, ou seja, que "Deus viu tudo o que tinha feito, e viu que era muito bom". Nesta perfeição que Deus criou, não há "profanação" ou algo que seja mentira; e não há outro Princípio criador. Torna-se assim claro que aquilo que tem a aparência de erro, de pecado, doença, dor e discórdia não passa de ilusão, de miragem, nada. Lembremos então, na nossa prece, que Deus criou tudo o que foi feito, e neste universo de Deus existe apenas a Presença Total, o Poder Total de Deus, o Amor divino e, por isso, aquilo que agora nos parece erro é uma falsa representação da realidade.

O tempo virá, em nossa vida, em que a inspiração espiritual revele à consciência individual um estado de ser livre das crenças e condições mortais. Não mais então viveremos uma existência baseada em afirmações ou negações mentais e, no lugar disso, receberemos de nossa Consciência um constante desdobramento da verdade. Por vezes isso nos vem do canal de nosso próprio
pensamento. Pode nos vir através de um livro, uma leitura ou um serviço solicitado pela divina Consciência. E apesar de parecer que isto nos possa vir por um canal, é a divina Consciência que se revela à consciência individual.

Na medida em que nos tornamos mais e mais conscientes de nossa unidade com o Universo, com o Cristo cósmico, qualquer desejo ou necessidade que se nos apresente traz consigo o seu preenchimento de pensamentos e desejos justos. E não está pois claro que nossa unidade com a Consciência, tendo sido estabelecida desde o "começo" pela eterna relação entre Deus e Seu ser manifesto, não custou nenhum esforço consciente para existir e ser mantida? A percepção desta verdade é o elo que nos liga à divina Consciência.

Para muitos, orar significa pedir e suplicar a um Deus que mora em um lugar chamado céu. O fato porém deste tipo de oração resultar em fracasso universal na obtenção de seus fins, prova que isto não é uma prece verdadeira, e que o Deus a quem suplicam não está lá para ouvir. A reflexão dos homens percebeu eventualmente a falta de resposta para tais orações, e se voltou para a busca do Deus verdadeiro e da idéia correta de prece. Isto levou à revelação da verdade como praticada e
compreendida por Cristo Jesus e muitos reveladores antigos. Neste ponto entendemos que "o reino de Deus está dentro de vós" e, por isso, a prece deve ser dirigida para dentro, para o ponto da consciência em que a Vida universal, Deus, se individualizou
como você e eu. Aprendemos que Deus criou (originou) o mundo no princípio e que isto "era bom".

Sendo "bom", o Universo deve ser inevitavelmente completo, harmonioso e perfeito; assim, nossa prece, no lugar de suplicar por algum bem, se torna a percepção da onipresença do bem, e este conceito mais elevado faz da oração a afirmação do bem e a negação da existência do erro como realidade. Quando a prece, mesmo afirmativa, resulta do uso de fórmulas, há a tendência a voltar para o velho modelo de reza de fé, e com isso a prece perde sua força. Quando, contudo, a prece consiste de uma sincera e espontânea afirmação da infinitude de Deus, e da harmonia e perfeição de Sua manifestação, está de fato próxima da oração absoluta, que é a comunhão com Deus.

Antes que recebêssemos o clarão da verdade, orávamos por coisas ou pessoas; em outras palavras, lutávamos por atingir algum fim pessoal. Em sua grande visão, Emerson escreveu: "A oração que anseia por uma vantagem particular, algo menor que o bem total, é viciosa". E, então, este homem sábio deixa-nos a definição: "A oração é a contemplação das coisas da vida do mais
alto ponto de vista. É o solilóquio da alma contemplativa e jubilosa. É o Espírito de Deus proclamando alto Seu trabalho... Tão logo o homem seja um com Deus, ele nada pedirá". A prece não deve ser entendida como um voltar-se para Deus para alguma coisa, pois, como completa Emerson "A prece como meio de atingir fins particulares é sem significado, é um roubo".

Agora sabemos o que a prece não é, e tivemos um vislumbre de que a prece é a união do nosso Eu, da Alma individual, com Deus, a Alma universal. Na verdade, a Alma individual e a Alma universal não são duas, mas uma só, e a conscientização desta verdade constitui a união ou unidade, que é a verdadeira prece. Jesus disse "Meu reino não é deste mundo", e temos de lembrar disso quando oramos. Voltarmo-nos para Deus levando algum pedido ou desejo deste mundo, será infrutífero. Quando
adentramos no nosso santuário do Espírito, temos de deixar de fora todos os desejos, as necessidades e carências terrenas. Temos de deixar "este mundo" e nos encaminhar para Deus com apenas uma idéia — a comunhão com Deus, a união, a unidade com Deus. Não devemos orar para obter qualquer coisa, ou para mudar ou corrigir algo.

A oração, que é união consciente com Deus, sempre redunda em harmonia, paz, contentamento e sucesso. Estas são as coisas "dadas de acréscimo". Não é que o Espírito produza, corrija ou cure a matéria ou o universo físico, mas ocorre que nós nos elevamos para um grau de consciência mais alto, onde há menos matéria e, por isso, menos discórdia, menos desarmonia,
doença ou carência. A comunhão com Deus é a verdadeira oração. É o desenvolvimento, na consciência individual, de Sua presença e poder, e isto nos torna "todos completos". A comunhão com Deus é na realidade ouvir a "pequena voz silenciosa". Nesta comunhão, ou oração, não proferimos palavras para Deus, mas a conscientização da presença de Deus é uma comunicação da verdade e do amor que vem de Deus até nós. É um estado de ser abençoado, que jamais nos deixa no ponto em que nos encontrou.

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Oração do ego

Mensagem  clever em Seg Set 27, 2010 2:18 am

Enquanto houver ego não podemos ter a unidade com o Pai. Jesus, um Grande Mestre, como todos os Mestres, obtiveram essa unificação porque transcenderam ao ego. Nós, pobres mortais, enquanto não combatermos o ego e eliminarmos o erro, não teremos sequer a percepção do Pai em nós.
O pecado, o erro, pode ser uma ilusão, mas este é o ginásio onde deveremos provar que merecemos transcender ao estado em que nos encontramos. Portanto, nessa situação devemos cumprir as leis.


clever

Mensagens : 23
Data de inscrição : 12/08/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum